NOTÍCIAS

António Coelho e Rui Silva com capítulo dedicado à Intervenção Sistémica Familiar em Comportamentos Aditivos e Dependências, no novo Manual de Terapia Familiar

A Terapia Familiar apresenta-se como uma área de estudo multidisciplinar que procura compreender o funcionamento das relações de casal e familiares, centrando a sua intervenção no meio familiar em que o indivíduo se move.
Baseada numa perspetiva sistémica, a Terapia Familiar contempla modelos de intervenção eficazes, que recorrem à ativação das competências e dos recursos dos próprios sistemas relacionais.
É com base nesta narrativa que surge o Manual de Terapia Familiar. Escrito por um conjunto alargado de autores, apresenta uma diversidade de conteúdos, num equilíbrio entre teoria e prática.
A presente obra está estruturada em três partes: teoria, avaliação e intervenção. Na primeira, enfatizam-se os contributos teóricos fundamentais da Terapia Familiar; na segunda, destaca-se a avaliação familiar (apresentando instrumentos específicos de avaliação); e, na terceira, procura-se mapear os contributos da Terapia Familiar e intervenção sistémica em diversos contextos aplicados.
Trata-se de um recurso para estudantes e profissionais de Psicologia, Medicina, Serviço Social e Enfermagem, bem como para outros interessados no tema, que encontrarão neste livro uma visão completa e essencial sobre a Terapia Familiar.

Programa Contigo distinguido com Selo de Boas Práticas de Intervenção Social

O Programa Contigo, dirigido a agressores conjugais que resulta de uma parceria entre A Barragem, a Câmara Municipal de Cascais, enquanto entidade promotora e financiadora e a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), foi em conjunto com mais 8 projetos do concelho de Cascais, distinguido com o selo de Boas Práticas, pela Rede Social Supraconcelhia, entre 43 candidaturas.O Programa Contigo é aplicado em Cascais desde 2010, e conta hoje com a realização de mais 20 Grupos onde ao longo de 18 sessões se promove no agressor a consciência e a assunção da responsabilidade pelo comportamento violento, a cessação dos comportamentos violentos e a aprendizagem de estratégias alternativas.Pretende, ainda, diminuir a reincidência e prevenir a (re)vitimação do cônjuge, filhos e/ou outros familiares. O Selo de Boas Práticas de Intervenção Social distingue projetos que incluem metodologias e práticas inovadoras de intervenção social em determinadas áreas, promovendo o seu conhecimento, partilha e divulgação. No conjunto, os projetos vencedores da Rede Social de Cascais cobrem áreas de intervenção tão diversificadas como a deficiência, pobreza, reinserção social, envelhecimento e violência doméstica.